geral@centrolex.pt
255 713 162

Centro LEX

Advogados & Solicitadores
Patricia Centro Lex

(Português) O Novo Estatuto dos Animais

Sorry, this entry is only available in European Portuguese. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

A Lei nº 8/2017, publicada no dia 03 de Março e que entra em vigor a partir de 1 de Maio, estabeleceu o estatuto jurídico dos animais, reconhecendo a sua natureza de seres vivos dotados de sensibilidade, alterando, consequentemente, o Código Civil, o Código de Processo Civil e o Código Penal.

É aditado um subtítulo I-A, ao título II, do livro I do Código Civil, com a denominação «Dos animais», integrando os artigos 201º-B a 201º-D.

A secção II, do capítulo II, do título II, do livro III, do Código Civil passa a denominar-se «Ocupação de coisas e animais».

Assim, com as novas alterações, em caso de divórcio, o destino dos animais passa a ser regulado, tal como já acontece com os filhos, a casa e outros bens do casal, quer seja por acordo ou por decisão de decisão judicial.

Atento o novo estatuto, os animais podem ser objeto do direito de propriedade, nos termos regulados no Código Civil e em legislação especial. Contudo, o direito de propriedade não contempla a possibilidade de, sem motivo legítimo, infligir dor, sofrimento ou outros maus-tratos que causem sofrimento injustificado, abandono e/ou morte.

O proprietário de um animal deve assegurar o seu bem-estar e respeitar as características de cada espécie. Deverão, por isso, ser respeitadas as disposições especiais relativas à criação, reprodução, detenção e proteção dos animais e à salvaguarda de espécies em risco, sempre que exigíveis. O dever de bem-estar do animal abrange o acesso a água e alimentação e o acesso a cuidados médico-veterinários.

De harmonia com o novo estatuto, quem causar lesão a um animal é é considerado responsável e fica obrigado a indemnizar o seu proprietário, pelas despesas com o tratamento, sem prejuízo de indemnização devida nos termos gerais. Esta indemnização é devida mesmo que as despesas se computem numa quantia superior ao valor monetário atribuído ao animal.

No caso de a lesão sofrida, provocar ao animal de companhia, a sua morte, privação de importante órgão ou membro ou afetação grave e permanente da sua capacidade de locomoção, o proprietário tem direito a indemnização adequada pelo desgosto ou sofrimento moral em que tenha incorrido, em montante a ser fixado equitativamente pelo tribunal.