geral@centrolex.pt
255 713 162

Centro LEX

Advogados & Solicitadores
renato vicente centro lex

(Português) Cobrança coerciva da prestação de alimentos devida a menor

Sorry, this entry is only available in European Portuguese. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

Se a pessoa judicialmente obrigada a pagar prestação de alimentos a menor, não proceder ao pagamento dos montantes em dívida, o credor tem à sua disposição, em alternativa ao recurso à acção executiva, os seguintes meios:

a) Se o devedor for trabalhador em funções públicas, o credor pode requerer que lhe sejam deduzidas as quantias em dívida no vencimento, sob requisição do tribunal dirigida à entidade empregadora pública;

b) Se for empregado ou assalariado, o credor pode requerer que os montantes devidos lhe sejam deduzidos no ordenado ou salário, sendo para o efeito notificada a respectiva entidade patronal;

c) Se o devedor for pessoa que receba rendas, pensões, subsídios, comissões, percentagens, emolumentos, gratificações, comparticipações ou rendimentos semelhantes, a dedução das quantias em dívida é feita nessas prestações.

O recurso a estes meios de efectivação da prestação de alimentos pressupõe que:

A prestação de alimentos tenha sido fixada judicialmente;
Que a prestação de alimentos não seja paga nos 10 dias seguintes à data de vencimento.

Existem, no entanto, algumas prestações que não são passíveis de desconto nos termos supra referidos, por impedimento legal. É o caso, por exemplo, da prestação referente ao rendimento social de inserção (RSI).